28/09/2019 0 comentários

DIAMANTINA

Antes da chegada dos colonizadores portugueses, no século XVI (os primeiros relatos dão conta de expedições que subiram o Rio Jequitinhonha e São Francisco), Diamantina, como toda a região do atual estado de Minas Gerais, era ocupada por povos indígenas do tronco linguístico macro-jê.

Diamantina foi fundada como Arraial do Tejuco em 1713, com a construção de uma capela que homenageava o padroeiro Santo Antônio. A localidade teve forte crescimento quando da descoberta dos Diamantes em 1729. Em fins do século XVIII era a terceira maior povoação da Capitania Geral da Minas, atrás da capital Vila Rica, hoje Ouro Preto, e com população semelhante à da próspera São João del-Rei. No século XVIII cresceu devido à grande produção local de diamantes, que eram explorados pela coroa portuguesa. Foi conhecida inicialmente como Arraial do Tejuco (ou Tijuco) (do tupi tyîuka, “água podre”, Tejuco e Ybyty’ro’y (palavra tupi que significa “montanha fria”, pela junção de ybytyra (“montanha”) e ro’y (“frio”). Durante o século XVIII, a cidade ficou famosa por ter abrigado Chica da Silva, escrava alforriada que era esposa do homem mais rico do Brasil Colonial, João Fernandes de Oliveira.

Diamantina representou a maior lavra de diamantes do mundo ocidental no Século XVIII, e durante nove anos, a Coroa Portuguesa não tomou conhecimento da descoberta de diamantes na região, o que foi feiro pelo governador da Capitania, em 1729, o então D. Lourenço de Almeida.

A resposta de Portugal foi impor todo controle sobre as regiões diamantíferas das Minas Gerais. Em 1734, foi criada a Intendência de Diamantes, cujo regime era totalmente controlador e autoritário. O monopólio da Coroa Portuguesa sobre as jazidas diamantíferas durou até 1845.

Diamantina emancipou-se do município do Serro somente em 1831, passando a se chamar Diamantina por causa do grande volume de diamantes encontrados na região. A demora se devia à necessidade de maior controle local pelas autoridades coloniais visto que já em meados do século XVIII a população era maior que a da Vila do Príncipe do Serro Frio, cabeça da comarca. A vida em Diamantina no final do século XIX foi retratada por Alice Brant no seu livro Minha Vida de Menina, que se tornou um marco da literatura brasileira após ter sido redescoberto por Elizabeth Bishop.

Em 1938, Diamantina comemorou seus cem anos de elevação à categoria de cidade, recebendo do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional o título de “patrimônio histórico nacional”. E, no ano de 1999, foi elevada à categoria de “patrimônio da humanidade” pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura.

O perfil da economia da cidade mudou muito rápido devido à forte expansão da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri no fim da primeira década de 2000, que acabou por se tornar o motor da economia do município, possuindo 26 cursos de graduação, 23 cursos de pós-graduação e cerca de 1200 servidores  e 12000 alunos. A sociedade diamantinense, até certo ponto tradicional, ainda encontra dificuldades em se adaptar à nova dinâmica imposta pela chegada de uma população jovem e com diminutas “raízes” com as tradições locais.

Entretanto, a economia de Diamantina ainda está muito ligada ao turismo, a maior parte do intenso fluxo turístico focado na arquitetura e importância histórica, o município possui um rico e variado ecossistema em seu entorno, com cachoeiras, trilhas seculares e uma enorme área de mata nativa, que teve a felicidade de ser protegida com a criação de Parques Estaduais. A cidade é um dos destinos da Estrada Real, um dos roteiros culturais e turísticos mais ricos do Brasil, e faz parte do circuito turístico dos Diamantes.

Apesar do grande número de turistas, a infraestrutura para receber visitantes é considerada inferior à de Ouro Preto, a primeira cidade no estado a ser reconhecida pela Unesco, e na capital de Minas, Belo Horizonte. Um grande gargalo é o trânsito, contando com uma frota local crescente e chegada de muitos carros nos fins de semana.  Diamantina é também conhecida por suas serestas e vesperata, que é um evento em que os músicos se apresentam à noite, ao ar livre, das janelas e sacadas de velhos casarões, enquanto o público assiste das ruas. Um dos grandes impulsos turísticos de Diamantina é o famoso Parque Estadual do Biribiri, com suas águas cristalinas e cachoeiras, entre elas se destaca a Cachoeira das Fadas e a Cachoeira do Telésforo localizadas no distrito de Conselheiro Mata. Um grande marco histórico e turístico da cidade é o Centro Histórico de Diamantina, que guarda grandes lembranças do tempo colonial, em destaques por seus grandes e belos casarões e igrejas coloniais que retratam um pouco do Século XVIII. A cidade ainda se localiza no Vale da Serra do Espinhaço, propício para turismo de Diamantina.

Diamantina tem vários pontos turísticos: Parque Estadual do Biribiri, Parque Nacional das Sempre-Vivas, Museu do Diamante, Instituto Casa da Glória, Cachoeira do Telésforo, Cachoeira das Fadas, Gruta do Salitre, Casa da Chica da Silva, Catedral Metropolitana de Diamantina, Igreja de Nossa Senhora do Carmo, Casa de Juscelino Kubitschek, Igreja de São Francisco de Assis, Cachoeira dos Cristais, Praça JK, Cachoeira da Sentinela, Teatro Santa Izabel, Antiga Casa da Intendência, Basílica do Sagrado Coração de Jesus e Serra dos Cristais além da Igreja de Nossa Senhora do Amparo.

VALE A PENA CONHECER DIAMANTINA

VEJA HOTÉIS & POUSADAS QUE INDICAMOS PARA VOCÊ EM DIAMANTINA.

Deixe-nos saber o que você pensa

* Campo obrigatório