30/08/2019 0 comentários

MACAPÁ - AMAPÁ

Macapá é um município brasileiro, capital do estado do Amapá, Região Norte do país. Sua população estimada em 2018 era de 493 634 habitantes. Situa-se no sudeste do estado e é a única capital estadual brasileira que não possui interligação por rodovia a outras capitais. Além disso, é a única cortada pela linha do Equador e que se localiza no litoral do rio Amazonas, distando 1 791 quilômetros de Brasília.

O município detém o 94º maior produto interno bruto da nação, com 8,9 bilhões de reais e é a quinta cidade mais rica do norte brasileiro, respondendo por 2,85% de todo o produto interno bruto (PIB) da região. Na Amazônia, é a terceira maior aglomeração urbana, com 3,5% da população de toda a Região Norte do Brasil, reunindo em sua região metropolitana quase 560 mil habitantes. Aproximadamente 60% da população do estado está na capital. Sua área é de 6.407 km² representando 4,4863 % do Estado, 0,1663 % da Região e 0,0754 % de todo o território brasileiro.

As estimativas de 2018 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelam que a população de Macapá é de 493 634 habitantes, sendo o 51° município mais populoso do Brasil e o quinto da Região Norte.

De origem tupi, como uma variação de “macapaba“, que quer dizer lugar de muitas bacabas, uma palmeira nativa da região (Oenocarpus bacaba Mart.). Segundo o tupinólogo Eduardo de Almeida Navarro, porém, o topônimo “Macapá” possui origem no termo da língua geral setentrional macapaba, que significa “lugar de macabas” (macaba, macaba + aba, lugar). Segundo o Dicionário Aurélio, “macaba” é uma árvore frutífera sertaneja.

Antes de ter o nome de “Macapá”, o primeiro nome concedido oficialmente às terras da cidade foi Adelantado de Nueva Andaluzia, em 1544, por Carlos V de Espanha, numa concessão a Francisco de Orellana, navegador espanhol que esteve na região.

A história de Macapá se prende à defesa e à fortificação das fronteiras do Brasil Colônia, quando estabelecido um destacamento militar, criado em 1738. Posteriormente, na Praça São Sebastião (atual praça Veiga Cabral), a 4 de fevereiro de 1758, foi levantado o Pelourinho, na presença do Capitão General do Estado do Grão-Pará, Francisco Xavier de Mendonça Furtado, fundando a Vila de São José de Macapá. A partir de então, foram surgindo edificações, até hoje preservadas, que constituem em verdadeiro patrimônio cultural, como a Fortaleza de São José de Macapá, uma das sete maravilhas brasileiras.

A antiga Intendência de Macapá, hoje em dia, é o Museu Histórico Joaquim Caetano da Silva. A data da inauguração deste prédio foi 15 de novembro de 1895, quando Coriolano Jucá era Intendente. O edifício, em estilo neoclássico, foi usado desde o período de Vila até o extinto Território Federal do Amapá, ornado com esculturas e figuras antropomorfas que representam as artes e a indústria. As pilhas, louvres e vasos foram confeccionados na arte da faiança em Portugal em 1932. Foi restaurado para abrigar a Prefeitura de Macapá, tendo como interventor do estado do Pará o major Magalhães Barata e como prefeito o também major Eliezer Levy.

A igreja de São José de Macapá é um marco histórico, cuja construção foi iniciada em 1752, seis anos antes da criação oficial da Vila de São José de Macapá. A igreja matriz foi inaugurada em 5 de março de 1761, sendo o Padre Joaquim Pair o seu primeiro vigário. A imagem original do padroeiro São José, esculpida em madeira, tem 35 cm de altura, sendo considerada uma das relíquias sacras mais importantes do Estado. Nas paredes, os quadros do Padre Lino retratam uma passagem bíblica. As pinturas: do lado esquerdo de quem adentra pela entrada principal está “Os Desterrados” ou fuga para o Egito; à direita está “São José Carpinteiro e o Menino Jesus”. Já houve um período em que a paróquia ficou sem vigário por 40 anos. Em 1904, o padre Francisco Hiller e o intendente coronel Teodoro Mendes restauraram a igreja.

A Escola de 1º Grau Barão do Rio Branco foi a primeira escola em alvenaria de Macapá, tendo sido inaugurada em 13 de setembro de 1946, pelo governo do Território Federal do Amapá na gestão do capitão Janary Nunes. Nesta escola também funcionou o 1º cinema de Macapá, o ex-Cine Territorial. As máquinas não foram mais usadas e tudo está no mais completo abandono. Outros prédios, como o Mercado Central, o Hospital de Especialidades e a Maternidade Mãe Luzia também fazem parte de antigas construções das décadas de 1940, 50 e 60.

O Trapiche Eliezer Levy é uma homenagem ao então prefeito Eliezer Levy, que, na época, recebeu recursos do Interventor do Pará, Magalhães Barata, para execução da obra. Durante muito tempo foi o ponto de chegada e saída da cidade. Inspirou poetas como Alcy Araújo, que foi chamado de “Poeta do Cais”. Antes, as embarcações aportavam na chamada Pedra do Guindaste, onde hoje está a imagem de São José. Na penúltima reforma, o trapiche recebeu uma estrutura de concreto, onde funciona um restaurante e um bondinho para transportar os frequentadores. As embarcações aportam em outros lugares, tais como o “igarapé das mulheres” e as rampas em frente ao bairro Santa Inês, próximo do centro comercial. O trapiche, com 472 metros de comprimento, é uma das atrações turísticas da cidade.

VALE A PENA CONHECER MACAPÁ

VEJA HOTÉIS & POUSADAS QUE INDICAMOS PARA VOCÊ EM MACAPÁ.

Deixe-nos saber o que você pensa

* Campo obrigatório