29/08/2019 0 comentários

EPITACIOLÂNDIA - ACRE

Aos poucos a comunidade foi se desenvolvendo formando um pequeno vilarejo, onde foram instalados comércios, igrejas, escolas, etc. O que lhe deu estrutura para passar a categoria de Vila e recebendo o nome de Vila Epitácio Pessoa, isto por volta de 1958.

Seu desenvolvimento sócio-político-econômico se deu ao longo de vários anos, com a criação de Escolas e instituições como: Sub-Delegacia, Sub Prefeitura, instalação da 4ª Companhia Especial de Fronteira, Fundação do Campo de Aviação, Posto de Fiscalização na Fronteira, expansão do comércio e organização política, etc.

No governo de José Augusto, em 1° de março de 1963, foi considerado pela Constituição Estadual como municípío Epitácio Pessoa, mas sua efetivação como município não aconteceu, devido aos interesses de políticos e comerciantes de Brasiléia, continuando como Vila Epitácio, vinculada a Brasiléia. A Vila Epitácio foi adquirindo estrutura física o que deu condições a ser amparado pela Lei de criação dos 10 (dez) novos municípios e no dia 13 de abril de 1992, data em que se realizou o 3º Plebiscito, Epitaciolândia elevou-se à categoria de mais novo município do Estado do Acre.

Epitaciolândia antes de passar a categoria de município, era distrito pertencente ao município de Brasileia, separado apenas pelo Rio Acre. Sua passagem de Vila à categoria de município, passou por um processo democrático. Seu povo foi convidado a dizer sim ou não através de Plebiscito voto direto e secreto. Não havia a ideia de Vila Epitácio elevar-se a município de Epitaciolândia, mas foi através da vontade democrática de seu povo, com o percentual de mais ou menos 95% (noventa e cinco por cento) dos votos válidos no sim, que o município de Epitaciolândia conseguiu sua emancipação política e administrativa.

​O município de Epitaciolândia recebeu esse nome em homenagem ao ex-presidente da República Epitácio Pessoa. A sede municipal foi fundada nas terras do antigo seringal “Bela Flor”, que já havia se tornado um bairro de Brasileia. O decreto de criação do Município foi assinado no dia 28 de abril de 1992 pelo governador Edmundo Pinto, mas foi só em 1° de Janeiro de 1993 que o município se emancipou politicamente e o prefeito e os vereadores tomaram posse de seus respectivos cargos. Sua sede municipal situa-se na margem direita do rio Acre. O Município abriga marcos de fronteira que foram estabelecidos para esclarecer os limites com a Bolívia, após os combates sangrentos da Revolução Acreana nas margens do Igarapé Bahia.

​O Município possui uma forte ligação econômica com a cidade vizinha de Cobija (Bolívia) através da ponte do Igarapé Bahia e mantêm um grande intercâmbio comercial com a vizinha Brasiléia, através de uma ponte sobre o Rio Acre. O Município aguarda a implantação de uma Área de Livre Comércio aprovada pelo Governo Federal, englobando também o município de Brasiléia.

Epitaciolândia ocupa o décimo segundo lugar em número de população e o vigésimo segundo lugar em tamanho de área, sendo o menor município do Estado do Acre. As principais atividades econômicas desenvolvidas no Município são: o comércio em pequena escala, a indústria madeireira e moveleira, a agricultura de subsistência e uma crescente atividade pecuarista.

A Reserva Extrativista Chico Mendes – de uso sustentável, possui uma parte dentro do Município. A área é a que apresenta melhor estado de conservação, com menos desmatamento que o seu entorno. Área de Relevante Interesse Ecológico Seringal Nova Esperança – esta unidade é de uso sustentável e parte da sua área se encontra no Município. O objetivo da unidade de 2.584 hectares, criada em 1999, é proteger a riqueza da vegetação regional, que é especialmente rica em castanheiras e seringueiras.

Limita-se ao norte, com o município de Xapuri; ao sul e a leste, com a Bolívia e a oeste, com o município de Brasileia. O acesso ao município é feito por meio rodoviário através da BR-317.

VEJA HOTÉIS & POUSADAS QUE INDICAMOS PARA VOCE EM EPITACIOLÂNDIA.

Deixe-nos saber o que você pensa

* Campo obrigatório